Make your own free website on Tripod.com

Carlos Drummond de Andrade

Biografia | Obra: A língua lambe | Obra: trecho do livro "História de dois amores"

Biografia
Carlos Drummond de Andrade(1902-1987), poeta e prosador brasileiro que participou do "grupo mineiro" do modernismo. Em 1930, junto com outros companheiros, fundou "A Revista", que teve vida curta mas considerável influência no movimento modernista. Seus primeiros livros, Alguma Poesia (1931), Brejo das Almas (1934) e Sentimento do Mundo (1940) mostraram o impasse entre o artista e o mundo. Em A Rosa do Povo (1945) apresentou uma poesia de certa forma engajada. A partir de Claro Enigma (1951) registrou o vazio da vida humana e o absurdo do mundo, e enriqueceu a pesquisa de novas formas da utilização das palavras. A obra em prosa, geralmente composta de crônicas, aproxima-se do nível da poética: Contos de Aprendiz (1951), Fala Amendoeira (1957), A Bolsa e a Vida (1962), entre outros. Drummond foi um dos maiores poetas brasileiros contemporâneos e exerceu grande influência nas gerações que se seguiram. Tem sido traduzido para vários idiomas e consta de antologias estrangeiras.

A língua lambe


Carlos Drummond de Andrade

A língua lambe as pétalas vermelhas
Da rosa pluriaberta; a língua lavra
Certo oculto botão, e vai tecendo
Lépidas variações de leves ritmos.

E lambe, lambilonga, lambilenta,
A licorina gruta cabeluda,
E, quanto mais lambente, mais ativa,
Atinge o céu do céu entre gemidos,

Entre gritos, balidos e rugidos
De leões na floresta, enfurecidos.

 

Parar

Play/Pause

Diminuir Volume

Aumentar Volume


  Clique "Play" para ouvir a leitura...

topo da página

Trecho do livro: História de dois amores


Carlos Drummond de Andrade

"Osbó tinha motivo de entristecer. Sentia que depois de um período de sete anos gostosos acontece muita coisa má. E essa coisa má era a guerra, que chegou de uma hora para a outra.
A guerra veio feroz, matando bichos, destruindo plantações. Foi travada por elefantes do outro lado do deserto, instigados por um chefe ambicioso e cheio de inveja da paz e alegria reinantes na manada de Osbó.
Travou-se uma luta brava e sem aviso. Os atacantes agiram de surpresa, e Osbó era meio distraído em matéria de segurança. Seus companheiros resistiram com bravura, defendendo o que era deles, e quem defende o que é seu cria tutano para combater.
Houve uma trégua para remover os mortos e cuidar dos feridos de lado a lado. Quando a luta recomeçou, a manada de Osbó estava inferior em número e já meio enfraquecida, porque eram bichos de paz e não de crime.
Foi nesse desânimo de Pul, vendo as coisas pretas, resolveu entrar na briga. Como, se o inimigo era mais forte, e antes de morder os olhos de todos já estaria cansado e arquejante?
(...)"

 

Parar

Play/Pause

Diminuir Volume

Aumentar Volume


  Clique "Play" para ouvir a leitura...

topo da página

bibliografia: